Cema investe R$ 6,4 milhões em medicamentos para tratamento de pacientes com Covid-19

Chamamento público realizado em 15 de janeiro permitirá compra de 11 medicamentos para abastecimento de unidades de Saúde

A Central de Medicamentos do Amazonas (Cema) definiu, nesta quinta-feira (21/01), os vencedores do chamamento público, aberto no dia 15 de janeiro, para viabilizar a compra emergencial de medicamentos usados no tratamento de pacientes com Covid-19. Ao todo, o Estado investirá R$ 6.490.250,00, na compra de 11 medicamentos, para garantir o abastecimento das unidades da rede pública estadual de saúde.

Com a compra, a Cema irá adquirir 690 mil unidades de medicamentos junto a cinco fornecedores, que enviaram propostas para concorrer ao processo. Entre as empresas contempladas estão a Mapemi, UNI Hospitalar, Call Med, Hypofarma e Dimmaster.

Entre as aquisições, estão 60 mil ampolas de Rocurônio e 300 mil de Norepinefrina, que compõem o chamado “kit intubação”. Os medicamentos tiveram alta no consumo médio mensal de 425% e 169% na pandemia, respectivamente.

Também estão inclusos os remédios Alprostadil, Amicacina, Fitomenadiona, Heparina sódica, Levofloxacino, Flumazenil, Salbutamol, Pantoprazol e Esomeprazol Sódico IV.

Segundo o coordenador da Cema, Cláudio Nogueira, a compra visa reforçar os estoques para manter o abastecimento nos SPAs e hospitais da capital e do interior. “Há uma demanda alta por esses medicamentos e a compra emergencial permite que o abastecimento siga de forma contínua, sem riscos de interrupção por falta de estoque”, pontuou.

A partir do empenho, a expectativa é de que a remessa de itens comece a chegar na Central de Medicamentos entre 15 a 20 dias.

Outros oito medicamentos, requeridos no chamamento público, não tiveram propostas de fornecedores. Agora, a Cema está em contato com os fabricantes para garantir a compra dos insumos.

Outras aquisições – A Cema está em processo inicial de aquisição de outros materiais hospitalares. Entre eles estão a compra de 260 unidades de máscaras VNI e 2 mil filtros, ao custo de R$ 167.785,00 aos cofres públicos, além de 300 mil aventais impermeáveis, com investimento de R$ 1.791.000,00.

Outros Produtos para Saúde (PPS), por sua vez, já estão em fase de empenho junto a seis fornecedores do Estado, para atender a demanda do Sistema Estadual de Saúde. Entre os itens requeridos estão tubos para intubação endotraqueal, sondas nasogástricas e eletrodo para ECG, para monitoramento cardíaco.